Você “conta” consigo?*

Foto | Unsplash

Você começa o dia ajeitando as crianças, tomando um banho rápido, preparando um café da manhã, coloca a ração para os cachorros. Aproveita que está passando pela área de serviço e coloca umas camisas do marido para lavar, quase que simultaneamente ao momento em que está saindo de casa com uma sensação de atraso, para deixar os pequenos na escola. Sua família sabe que pode contar com você.

Chega no trabalho e tem diversos e-mails para responder, o que faz com muita eficiência. Passa o dia encontrando soluções para inúmeros problemas. Um colega que pede uma coisa aqui e outra ali e pá! Está feito! As pessoas do trabalho sabem que podem contar com você!

Ao longo do dia seus pais ligam pedindo ajuda para encontrar um médico e marcar um exame. Você prontamente responde e tudo fica em ordem. Seus pais sabem que podem contar com você.

E toca o telefone mais uma vez! É sua amiga querida aos prantos: ela precisa de um colo e de conselhos e você sabe exatamente como acalmá-la. Sua amiga sabe que pode contar com você!

Esse é seu jeitão. Uma mulher supercompetente, que dá conta de ajudar muita gente, mas quando vai fazer suas contas, está exausta! Você também quer um colo, você também quer que resolvam algumas coisas por você, você também quer você.

Sabe, com as experiências de consultoria financeira, tenho cada vez mais a evidência de que uma vida rica vai além de dinheiro no bolso! Infelizmente, há uma confusão entre “riqueza ser mais que dinheiro” e “ter dinheiro é não ter valor”. Esse equívoco faz com que muitas mulheres nem olhem para sua relação com dinheiro, pois significaria diminuir-se em relação ao valor real das coisas.

Mas eu te pergunto: as contas entre dar e receber estão fechando para você? Ou você se sente exausta? Desvalorizada?

Chama-me a atenção que a conta bancária de muitas mulheres reflete exatamente o que ela faz na sua vida: só tem para os outros: tem para o aluguel, tem para a luz, tem para a internet, tem para a festa das crianças, tem para gato-cachorro-papagaio! Mas tem para você? 

O quanto do que produz, você destina ao seu bem-estar financeiro (atual e futuro)? O quanto do seu tempo, você destina para seu bem-estar pessoal (atual e futuro)?

Já parou para pensar que a sua conta bancária talvez reflita a prioridade que dá a si mesma? Assim como seu dia passa e você tem a sensação de vazio tendo feito tantas coisas, não compreende como ganha bem e sua conta fica vazia.

Veja bem… não estou dizendo que você deva deixar de ajudar os outros. Meu convite, com muito carinho, é para esta reflexão: por qual motivo as mulheres, que são tão competentes e atenciosas em tantas coisas e com tantas pessoas, não têm a mesma dedicação quando se trata do próprio dinheiro? 

Faça as suas contas! Tenha coragem. Aprenda se precisar. Mas conte! Saiba que pode contar consigo mesma!

* Este texto foi publicado originalmente na Revista Divas.

Paula Bazzo

Paula Bazzo é administradora e psicóloga e trabalha com bem estar financeiro. Ela é sócia e consultora na Batom no Azul, uma empresa de inteligência financeira para mulheres. Ela vai passar de tempos em tempos por aqui para mostrar porque dinheiro e feminismo precisam dialogar.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.