Eu não consigo engravidar

Foto | Ester Marie Doysabas

Acho difícil achar uma mulher que não tenha brincado de boneca na infância e tenha sido a mãe de um bebê – mesmo que o bebê tenha sido um urso, um cachorro de pelúcia ou sabe-se mais o quê. O instinto materno é muito forte e aparece para quase todas as mulheres de maneira sutil (ou não) desde muito cedo. Quando chega a adolescência, por outro lado, o que menos queremos imaginar é ser mães. Imagina deixar de sair, ter que cuidar de si e de outro ser, adiar planos como a faculdade, etc…. Aí encontramos alguém, nos apaixonamos, casamos (ou juntamos) e a vontade de ser mãe, agora pra valer, começa a aparecer.

Cada casal tem seu tempo. Às vezes, prefere curtir a vida a dois, viajar e aproveitar pra gastar o dinheiro apenas com si por um tempo (foi nosso caso). Tem outros que já querem um filho logo e outros que nem querem filhos.

Para aqueles que querem, pode chegar o momento em que vocês finalmente decidem tentar (ou melhor, decidem que não vão mais tentar não ter usando métodos contraceptivos ) e aí podem perceber que não é tão simples assim. Tem gente que não esquenta, mas eu acho que, na cabeça de quase toda mulher que quer se tornar mãe, o fantasma da infertilidade assombra.

Paciência, persistência, tranquilidade e muita força (e fé para quem acredita) para lidar com essa situação. Depois que você se tornar mãe, independentemente da forma como a maternidade se dará (com filhos biológicos ou adotados), tudo terá valido a pena. Todo o caminho percorrido ajudará a formar a mãe que você será.

Eu tinha medo. Perguntei pra minha ginecologista, mesmo antes de eu e meu marido decidirmos tentar engravidar, se tinha como saber se eu teria problemas para engravidar e ela disse que os exames eram muito invasivos e eu precisava tentar por pelo menos um ano e meio a dois para aí sim investigar se tinha problemas caso não engravidasse. Eu li (vejam a matéria) que mesmo tendo relação nos dias férteis (que já são poucos por mês e menos ainda dependendo do teu ciclo) a chance de engravidar é de 30%. Ou seja, não é tão fácil assim, mesmo que tudo esteja certo.

E sabe aquele negócio de que quando você compra um carro, você começa a ver o modelo do seu carro em todo lugar e parece que todo mundo também decidiu comprar o mesmo carro? Pois bem, quando você quer engravidar acontece a mesma coisa: você vê grávida em todo lugar e fica se perguntando por que todo mundo consegue menos você. Os homens, mais práticos e menos sensíveis, vão dizer que somos paranóicas e temos que relaxar, mas duvido que isso nunca tenha passado pela sua cabeça ou vá passar.

Racionalmente, eu dizia pra mim mesma relaxar, que ia acontecer quando fosse a hora (ainda mais que eu tinha uma dissertação pra fazer). Mas a verdade é que só quem está querendo engravidar sabe a frustração/tristeza que é toda vez que a menstruação desce. E como também é um pouco dolorido (na mesma proporção em que ficamos super felizes) saber que sua amiga engravidou e você ainda não (quando a Ju me contou que estava grávida, vivi esse paradoxo de sentimentos).

Esse post não é para dar dicas de tratamentos para engravidar, até porque eu não precisei e não tenho experiência assim para compartilhar; mas é pra dizer que pode demorar um pouco a acontecer – no meu caso, ficamos um ano tentando (o que é bem normal, mas parece muito na nossa -minha- ansiedade). E, infelizmente, pode ser que não aconteça e, se for realmente a vontade do casal pode ser preciso pensar outras alternativas como tratamentos e, por que não, a adoção?

Eu sei que é fácil falar porque fui abençoada e pude engravidar como era o meu desejo. Mas só queria dizer que eu entendo um pouco dessa angústia e desse medo de não poder/conseguir ter filho porque eu senti isso. E sei que é redundância dizer pra você relaxar, que vai acontecer no momento certo e que, mesmo que não aconteça naturalmente, há outros caminhos.

Então deixa eu só te dizer que você não está sozinha e nem é louca: isso passa na cabeça da maioria de nós, é que nem sempre a gente compartilha. Paciência, persistência, tranquilidade e muita força (e fé para quem acredita) para lidar com essa situação. Depois que você se tornar mãe, independentemente da forma como a maternidade se dará (com filhos biológicos ou adotados), tudo terá valido a pena. Todo o caminho percorrido ajudará a formar a mãe que você será. <3


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.