O dia que encontrei flores dentro de mim

Meu primeiro arranjo

Estávamos morando em Londres (ai que saudade), era verão e havia flores por todos os lados. Os parques estavam abarrotados e eu, encantada com tanta beleza. Na Inglaterra, existe uma super tradição de jardinagem. Existem livros, museus, concursos, cursos, enfim, é uma paixão nacional. Não lembro muito bem a ordem dos acontecimentos, só sei que ganhei de presente de aniversário do Dado um curso de florista,  em uma escola super bacana de Knightsbrigde, a Judith Blacklock Flower School.

Foi o melhor presente que já recebi. Em uma sexta-feira, lá fui eu, cheia de expectativa, pro curso. Aos pouquinhos, Judith, a professora, foi nos ensinando sobre a beleza das flores e o cuidado que precisamos ter com elas. Falou sobre escolher cores e formatos, sobre como cortar os cabinhos para absorver mais água. Mostrou como se faz pra montar um arranjo “equilibrado”. E eu lá, encantada com tudo aquilo, fui anotando e fazendo tudo que ela dizia.

Tocar as plantas, sentir seu perfume, moldar um pouquinho aquilo que a natureza, tão lindamente, nos presenteou. Que privilégio. Foi um dia muito especial. Um dos melhores que já vivi. Talvez por ter sido criada em meio a tantos livros, nunca acreditei muito no meu corpo. Nunca fui muito boa nos esportes e, na dança, bem, quadril mais duro que o meu ainda está para ser encontrado. Parecia que só o meu cérebro tinha algo para oferecer.

Judith Backlock Flower School

Na verdade, até hoje, sinto um pouco dessa rigidez em mim mesma… Mas naquele dia do curso, eu consegui amolecer um pouquinho, consegui perceber que dentro de mim também existe delicadeza, habilidade, que minhas mãos são capazes de fazer “linduras” como aquelas. A maternidade também foi muito empoderadora pra mim nesse sentido. Gerar, parir e amamentar um filho me mostrou do que o meu corpo é capaz.

Saí da escola com uma sacola cheia: um arranjo dentro de um vaso (o da primeira foto) e um buquê majestoso (o da última foto do post). Aquelas flores não só duraram vários dias lá em casa como a sensação de mexer com elas reverbera até hoje dentro de mim. Minha paixão por flores só aumentou: adoro ir em feiras e comprar alguns maços, só pra chegar em casa e trabalhar com elas: cortar os cabinhos pra absorver bastante água, achar a altura ideal e o equilíbrio pro arranjo. Obrigada, meu amor, por ajudar a encontrar dentro de mim, essas flores tão lindas.

 

Com orgulho do meu buquê

As flores pra sempre me encantam. 


2 Comentários

  1. Maria de Fátima Paul
    Maria de Fátima Paul
    23/10/2017 / 09:31

    Obrigada por partilhar essas flores com a gente. Garanto que terei um dia mais perfumado depois da leitura do teu texto!!!!

    • FALAFRIDA
      FALAFRIDA
      23/10/2017 / 09:47

      Oi Fátima! Fico contente em ter te contagiado! Um beijo e um ótimo dia florido pra você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.